Banner
SBAT > HISTóRICO

A fundação da sociedade

A Sociedade Brasileira de Autores Teatrais foi fundada em 1917, por iniciativa de autores de teatro, escritores e compositores, liderados por Chiquinha Gonzaga. A sessão inaugural realizou-se na sede da Associação Brasileira de Imprensa, foi secretariada por Viriato Correa, da Academia Brasileira de Letras, e, entre outros, estavam presentes Oduvaldo Vianna, Luiz Peixoto, Oscar Guanabarino e Raul Pederneiras. O primeiro presidente da Sociedade foi João do Rio.

A partir de 2002 a sociedade passou a se chamar Sociedade Brasileira de Autores - SBAT por decisão de uma Assembléia Geral  que entendeu que a sociedade deveria ampliar seu campo de ação no que diz respeito à attividade autoral, pondendo a partir de então receber filiações de autores ligados ao cinema e à televisão, entre outros. Apesar do termo "teatral" ter sido retirado, manteve-se a sigla SBAT, através da qual a sociedade tornou-se conhecida.

Ao longo dos seus quase 100 anos de existência, a Sociedade Brasileira de Autores -SBAT tornou-se uma referência da cultura brasileira. seus dirigentes foram artistas como Joracy Camargo (autor do clássico Deus lhe Pague), Raimundo Magalhães Júnior, da Academia Brasileira de Letras, Heitor Villa-Lobos, Guilherme Figueiredo, Paschoal Carlos Magno, Genolino Amado, entre muitos outros. e praticamente todos os dramaturgos brasileiros e incontáveis narradores, poetas, tradutores foram associados da sbat: Nelson Rodrigues, Raquel de Queiroz, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Dias Gomes, Plínio Marcos, Oduvaldo Vianna Filho, Gianfrancesco Guarnieri, uma lista interminável, capaz de expressar uma parcela significativa da literatura e das artes nacionais. 

A Sociedade Brasileira de Autores - SBAT é uma sociedade de utilidade pública, que administra e arrecada direitos autorais de seus associados ou de autores representados por obra. Associada à CISAC (Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores), sempre atuou recolhendo os direitos de autores de outros países encenados no brasil e, através das sociedades estrangeiras, os direitos de autores brasileiros encenados no estrangeiro. a SBAT não tem fins lucrativos e foi sempre dirigida e administrada por autores teatrais e compositores, integrantes do seu quadro social e eleitos em assembléias gerais.

Durante muitos anos, a SBAT arrecadou também os direitos autorais de obras musicais. mesmo depois da criação das entidades dedicadas exclusivamente a esses direitos, como a União Brasileira de Compositores que nasceu dentro da própria SBAT e do surgimento do Escritório Central De Arrecadação de Direitos (ECAD), a SBAT continuou, por alguns anos, recebendo direitos de obras musicais brasileiras no estrangeiro, em razão do seu caráter pioneiro e do seu reconhecimento internacional.

Desde 2004, quando a última diretoria eleita da SBAT renunciou, uma assembléia geral extraordinária decidiu criar, provisoriamente, um conselho diretor não renumerado para manter viva a sociedade. Compreendendo que a tarefa é de todo o teatro brasileiro e de todos os responsáveis pela defesa da cultura do país, o conselho diretor assumiu como sua principal função a de ser intermediário de iniciativas de agentes públicos e privados destinadas a revitalizar as atividades culturais da entidade e tenham, como objetivo final, sua reestruturação administrativa e financeira.

A Sociedade Brasileira de Autores - SBAT é pioneira na proteção dos direitos autorais no brasil e um símbolo do teatro brasileiro. Possui um acervo de mais de 35 mil peças teatrais manuscritas que foram digitalizadas com o patrocínio da Petrobras/Lei Rouanet - MINC. Editou a mais duradoura das revistas de teatro do país (de 1924 a 2002), tendo em 2008, retomado sua publicação, graças ao apoio inicial da FUNARTE, patrocinadora de três números, e ao apoio do Ministério da Cultura. Continua admitindo associados de todas as partes do país e arrecadando e transferindo direitos autorais para seus sócios. É uma marca insubstituível. Organizou encontros, congressos, cursos, etc, configurando-se na verdadeira casa do autor brasileiro. A SBAT continua perseguindo sua vocação histórica de centro cultural da dramaturgia. 

 

 

 

ACERVO DIGITAL

Chiquinha Gonzaga

Fundadores
  • Adalberto de Carvalho
  • Alvarenga Fonseca
  • Adalberto de Carvalho
  • Antônio Quintiliano
  • Avelino de Andrade
  • Bastos Tigre
  • Carlos Cavaco
  • Domingos Roque
  • Eurycles Mattos
  • Fábio Aarão Reis
  • Francisca Gonzaga
  • Gastão Tojeiro
  • José M. Nunes
  • Luiz Peixoto
  • Mauro de Almeida
  • Oduvaldo Vianna
  • Oscar Guanabarino
  • Paulino Sacramento
  • Rafael Gaspar da Silva
  • Raul Martins
  • Raul Pederneiras
  • Viriato Corrêa